jump to navigation

Séries Canceladas 03/08/2011

Posted by leilakalomi in Séries.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Com o final das temporadas, chegam notícias sobre as séries que sobreviveram e as que soçobraram ao sabor da audiência americana. Algumas eu concordo plenamente por serem defenestradas, outras, eu lamento profundamente.

* Camelot eu comecei a ver cheia de esperança. Afinal, é uma das minhas histórias preferidas e também tem Joseph Fiennes, o que é um plus a mais, mas que decepção. A série é ruim demais. O rei Arthur (Jamie Campbell Bower) é um boboca de marca maior, Guinevere (Tamsin Egerton) tem a força expressiva de uma porta. Eva Green como Morgana parece estar num teatrinho infantil, só que com muito sexo. James Purefoy repetiu o estilo Marco Antônio de Roma: muito sexo e palavrão. Nem o querido irmão do Ralph escapa de um enredo confuso e completamente fora da história original. Estou seriamente inclinada a jogar a toalha na metade da temporada, principalmente depois que transformaram a espada Excalibur numa adolescente. Ah, tenha paciência! Vai tarde.

Caprica eu gostei muito e lamentei ter sido cancelada, mas concordo que era uma série difícil, com um enredo muito acima do nível das produções medianas que andam por aí. Gostaria sinceramente que voltassem a produzí-la. O mesmo eu digo de Stargate: Universe. Infelizmente, não sobreviveu a um enredo sombrio, onde a fronteira entre o mocinho e o bandido nunca estava lá muito bem definida. E Robert Carlile deu um show como o ambíguo Dr. Rush. Espero que, em três anos, quando a tripulação da Destiny acordar do sono criogênico, a MGM volte a produzir, pelo menos um filme para TV. Sonhar não custa nada, não?

* Crash foi outra que era boa, mas não sei se sobreviveria  a uma terceira temporada. Dennis Hopper não sobreviveu. Sem ele, acho que a série perderia muito da sua alma. Melhor terminar assim.

* Detrot 1-8-7  foi uma tremenda sacanagem ser cancelada. Desde Nova York Contra o Crime (NYPDBlue) que não via uma série policial tão boa. E olha que vejo – quase – tudo. Se tivesse mais uma ou duas temporadas, talvez fosse a substituta a altura de Andy Sipowitz e Cia. Só um adendo: não gostaria de estar num mesmo recinto com o Michael Imperioli. Se, com aquele nasal, ele puxasse o ar, garanto que não ficaria nenhuma moleculazinha de ar para os outros.  A surpresa foi a participação do filho do Michael nos dois últimos espisódios fazendo o papel do…, filho do personagem do Imperioli. E era óbvio que o moleque é filho dele. Tem a mesma cara e o mesmo nasal. Os dois num recinto seria um verdadeiro perigo….

* The Event começou ruinzinho de dar dó. Eu ficava me perguntando porque diabos eu via, mas depois do intervalo, não é que a série voltou melhor? Ficou bem amarrada e muito interessante, com a ênfase em Sofia e seus objetivos. Só destoava o casal principal. Jason Ritter não é dos piores, mas Sarah Roemer (Leila) é outra que tem a força expressiva de uma porta. Muito, mas muito ruim.  Pena que acabou sem um fim.

* The Good Guys eu lamentei profundamente. Quando começou a ser exibida por aqui eu já sabia que tinha sido cancelada, mas como amo de paixão o Bradley Whitford e também gosto do Colin Hanks (que acho que sofre por ser filho de quem é), comecei a ver e me diverti pra valer! O personagem de Whitford, um policial das antigas a absolutamente sem noção era muito, mas muito engraçado. Era legal também ver as histórias sendo contadas de trás pra frente. Pô, FX, vocês pisaram na bola em cancelar The Good Guys!

* In Treatment eu concordo que, nos moldes em que era feito, já tinha dado o que tinha que dar. Mas mesmo assim, gostaria que, de alguma maneira, o querido Dr. Paul (Gabriel Byrne) voltasse à analisar tipos bizarros. Lamento.

* Law & Order: Los Angeles simplesmente não deu certo. Comecei a ver pelo Alfred Molina, de quem gosto muito (eu gosto de muita gente), mas as histórias eram muito fraquinhas, até que deram uma mexida, mataram o Skeet Ulrich e transformaram o promotor Molina num policial. Danou-se. Só vi um episódio de que tenha realmente gostado. Se eu fosse o ator Terrence Howard eu faria umas aulinhas com uma fonoaudióloga pra ver se melhoraria a minha voz. Nunca vi um afro-americano ter voz de taquara rachada. Nossa….

* Lie To Me também foi meio fogo de palha. As primeiras temporadas foram muito boas, mas admito que a terceira foi fraquinha, fraquinha. Nem Tim Roth salvou. Foi e não deixou saudades.

* Life Unexpected é outra que já vai tarde. A personagem Cate (Shiri Appleby) pode entrar para a história das séries de TV como a mais chata de todos os tempos! De resto, os enredos são também muito fraquinhos. E aquela eterna briga entre Cate/Base/Ryan simplesmente encheu. Já vai tarde.

* Medium acabou com dignidade. Foi um último episódio até bem emocionante. Gostei.

* Faço minhas as palavras da Fernando Furquin do blog Temporadas: estou de luto pela morte prematura de Men Of  A Certain Age. Profundamente consternada. Merecia mais temporadas. Ray Romano surpreendeu num papel dramático e, claro, Scott Bakula deu um show como um quase cinquentão que não quer crescer. Choro profundamente pela insensibilidade da TNT que cancelou uma das melhores séries dos últimos tempos.

* No Ordinary Family eu desisti mesmo antes do meio. Muito, mas muito fraquinha. Já foi tarde. Michael Chiklis merecia coisa melhor do que essa bomba.

* S#!t My Father Says foi para o espaço por ser muito, mas muito fraquinha. Nem William Shatner fazendo o papel do pai sem noção salvou. Se tivesse tido uns roteiros melhores, quem sabe ainda estaríamos vendo o Gordinho Serelepe fazendo das suas.

* V se perdeu pelo meio do caminho, mas ainda assim era interessante. Se tivesse mais tempo, quem sabe….

* Por último, lamentei profundamente United States Of Tara ter sido cancelada. Era muito legal, com Toni Collette dando um show a cada episódio. Porém, (tem sempre um porém), admito que não tinha muito mais o que fazer com ela. Inventar novas personalidades? Já estava ficando cansativa. Melhor assim, terminar antes que ficasse insuportável. 

Bem, é só das canceladas. Depois falo das que ainda não foram, mas o futuro a Deus pertence.

Anúncios

Sobre Algumas Séries II, A Missão 22/02/2010

Posted by leilakalomi in Séries.
Tags: , , , , , ,
add a comment

Eu tentei, juro que tentei, mas não deu. Não consegui fazer o esforço concentrado e assistir a “Lie To Me” e Sons Of Anarchy” neste fim-de-semana. As Olimpíadas de Inverno me tomaram grande parte de sábado e domingo. Adorei ver as partidas de curling e o jogaço de hóquei no gelo entre Canadá e USA. Obviamente que torci pelo Canadá. Mas não há de ser nada. Achei o time Canadense melhor, mas nem sempre o melhor vence.

* Mas vamos ao que interessa. Consegui ver “Lie To Me” todo. Não deve ser nada agradável nem socialmente aceitável conviver com uma pessoa que sabe quando você está  mentindo o tempo todo. Tudo tem seu preço e o preço que Cal Lightman (Tim Roth, maravilhoso) paga é viver quase  à margem da insanidade. Apenas a filha Emily (Hayley McFarland) lhe dá um pouco de lucidez. E na segunda temporada vemos um Cal sendo obrigado a tomar atitudes extremas para manter a filha ao lado, a lidar com o divórcio de Gillian Foster (Kelly Williams) e a pressionar os assistentes Eli Loker (Brendan Hines) e Ria Torres (Monica Raymund). Também temos Mekhi Phifer (Ben Raynolds) defendendo o leitinho das crianças depois de E.R. e a bela Jennifer Beals (Zoe Landau) num papel semi-regular como a ex-mulher de Cal. No meu humilde entender, a série ainda tem muito o que desenvolver e espero que ela dure o suficiente para que isso aconteça. Só tem uma coisa me incomodando: o maldito hábito que o Tim Roth está tendo de inclinar a cabeça. Daqui a pouco ele vai ficar com o pescoço quebrado igual ao David Caruso (CSI Miami). Ele está igualzinho ao Goren (Vincent D´Nofrio, Law And Order C.I.), mas a produção já mandou ele ficar ereto há umas duas temporadas. Ah, o tema de abertura é maravilhoso. A música-tema chama-se “Brand New Day”, escrito por Ryan Star e Max Collins, interpretado por Ryan Star.

* Assisti aos primeiros espisódios de “Sons Of Anarchy”. Cacete, que início de lascar!!!!! Desnecessário dizer que a tensão entre Jax (Charlie Hunnam) e Clay (Ron Perlman) está crescendo e Katey Sagal (Gemma), pra variar, dá um show de interpretação. Quem conhecia a Katey da Família Bundy está se surpreendendo com a matriarca dos SAMCRO. Um viva pra ela. Pena que Adam Arkin (Ethan Zobelle) está atacando agora de vilão. Mas sabe como é, Life foi cancelada e os tempos andam bicudos…. A trilha sonora é ótima, mas não consegui descobrir o autor.

* Amanhã estreia “Flash Foward”. Assisti ao primeiro episódio e achei muito interessante. Vamos ver o desenrolar dos episódios pra ver como os roteiristas desenvolveram a trama. Estou com a mente aberta.

* Assiti aos três primeiros episódios de “Men Of  A Certain Age” e gostei. Certamente não é uma série para adolescente. É a história de três amigos na casa dos quarenta anos. Um é divorciado (Ray Romano, contido e muito bom), Um ator com síndrome de Peter Pan (Scott Bakula, um dos meus atores favoritos, mas ainda um pouco inseguro, pelo menos até onde eu assisti) e um casado (Andre Braugher, de longe o melhor personagem), ainda dependente financeiramente do pai. Até onde vi, gostei. Como a série foi renovada para a segunda temporada, é de se esperar que seja boa, e até onde vi, ela é. Estou torcendo pelo Bakulinha e seus amigos.

* Os deuses ouviram as minhas preces!!!! House volta na próxima quinta. Minha síndrome de abstinência vai acabar!!!!!!

* Faço minhas as palavras da Batata Transgênica: Como foi que o Gibbs tirou o barco do porão???????

* Por hoje é só. Depois tem mais.

Excertos Pós-Carnavalísticos 19/02/2010

Posted by leilakalomi in Uncategorized.
Tags: , , , , , ,
2 comments

* Carnaval e eu somos como duas paralelas. Já viu, né? Somos incompatíveis. Até que costumava assistir ao desfile (pela TV, claro), mas o ritmo ficou tão acelerado que não consigo mais sequer ouvir os sambas-enredos. Me sinto mal. Deve ser frescura. Pois Alma Gêmea, Homônima & Teacher também não são lá muito chegados aos ritmos momescos e então resolvemos fazer uma viagem até a cidade de São Paulo para um tour gastronômico-cultural. Como é que é? Passar o carnaval em São Paulo? Pois vai uma dica pra quem não é chegado ao ritmo momesco: a cidade funciona no feriado, não é como aqui, onde só se respira carnaval por esses dias. Segunda-feira de carnaval e, com algumas exceções, as lojas e shoppings estavam abertas, a Liberdade a mil, cantinas a postos, Livraria Cultura da Av. Paulista ( Conjunto Nacional ) aberta e botando gente pelo ladrão. Gente, isso é que é vida cultural! Tivemos também uma boa dose de gastronomia, com direito a hamburgueres feitos no fogão a lenha, a cantina italiana no bexiga e a milkshake de nutela. Desnecessário dizer que muitos quilos foram acrescentados aos meus já muitos quilos. Só tivemos três frustações: uma loja que Alma Gêmea queria visitar estava fechada, o supermercado Santa Luzia também e, sacrilégio dos sacrilégios, a Família Mancini estava fechada para obras. Mas não faz mal, pois almoçamos no restaurante do lado, que é melhor do que o da Família. Melhor assim, pois conhecemos um lugar novo.  Voltamos na terça cansados pra caramba, mas revigorados pela mudança de ares.

Ah, devo agradecer a São Pedro que nos poupou da chuvarada vespertina e a nossa amiga TV Séries que nos abrigou e que também compartilhou da nossa loucura gastronômico-cultural.

Também vimos um bloco passar no Bexiga. Lá também tem carnaval, viu, gente?

* Ontem foi aniversário de Teacher. 44 aninhos, um garoto cheirando a cueiros. Pra variar, fomos celebrar comendo pizza. Preciso urgentemente fechar a boca ou vou explodir…..

*Passei 17 dias aqui no meu prédio e nas redondezas com a energia elétrica com tensão baixa. Significa que todos os aparelhos elétricos e eletrônicos estavam funcionando abaixo da capacidade. Imagine só: um calor do caralho e o ar condicionado sem gelar direito, a geladeira idem, o ventilador fazendo apenas uma leve brisa. É isso aí. Depois de muito reclamar – até pra uma estação de rádio de grande alcance e pra um jornal  eu escrevi – finalmente o problema foi sanado, um dia antes de eu procurar o PROCON. Mas antes disso,  desgraça das desgraças, a TV da sala morreu, partiu desta para melhor. Certamente, a culpa foi da porra da concessionária, pois ligava todo santo dia pedindo o conserto e nada. Quis mandar consertar, ou pelo menos ter um orçamento e veio o veredito: a TV é antigona e importada, não tem mais peça no mercado pro conserto. Fiquei sem pai nem mãe, pois, pra conseguir assistir a todas as séries que vejo, só assistindo no quarto e gravando na sala ao mesmo tempo. PQP!!!! Munida de muita coragem, decidi: vou trocar a velha e agora acabada TV de 29 por uma de LCD. Achei uma mais ou menos como queria e a um preço razoável, com pagamento dividido em 12 suaves prestações. Pois a porra do saite ainda não entregou. Deveria ter entregue ontem e até agora, nada. Tô fula da vida!!!!!!

* Tentarei fazer um esforço concentrado pra assistir Lie To Me 2nd season e Sons Of Arnachy 2nd season neste finde. Quem sabe eu consiga.

* Tô adorando assistir aos Jogos de Inverno. Patinação artística é o bom, mas também gosto do curling, também conhecido como “deslize a chaleira” ou “manda a pedra”……

* E a porra do calor voltou com tudo…. saco….

* Termina o horário de verão. OBA!!!!!!! Já vai tarde.